"Você me magoou!", ela exclamou.
O homem muito brigou,
apavorado ficou,
a alegria lhe escapou,
a dor lhe chegou,
e o homem logo expirou.

Em poeta se tornou
o homem que se acabou.
Uma tormenta passou,
arroubos de loucura sentiu.
"Perdão!", lhe gritou,
a ela nunca mentiu.

O homem tornado poeta
de versos desrimados e tresloucados
(como estes),
de versos alucinados e inacabados
(como estes),
escreveu, prometeu, comprometeu.

Sobre Amor e dor lhe escreveu,
Amor e Felicidade lhe prometeu,
a Responsabilidade comprometeu.

Escreveu, escreveu, escreveu
o que a alma lhe ditou.
Para ela ligou,
a ela suplicou.
A insensibilidade lhe doeu,
e o poeta cansou.

Agora, o homem expirado, poeta cansado, 
não mais escreverá para ela.

Mas o poeta não morreu,
escreverá por ela e dela.



Autor: Jim Pereira