Um dia,  levantei-me de manhã cedo para assistir ao nascer do sol. A beleza da criação divina estava além de qualquer descrição. Enquanto eu assistia, louvei a Deus pelo seu belo trabalho. Sentado lá, senti a presença de Deus comigo.
Ele me perguntou:
"Você me ama?"
É claro, Deus! Você é meu Senhor e Salvador!

"Se você tivesse alguma dificuldade física,
ainda assim me amaria?"
Eu fiquei perplexo!
Olhei para meus braços, pernas e para o resto
do meu corpo e me perguntei quantas coisas eu não seria
capaz de fazer aquelas coisas que eu dava por certas.
E lhe respondi:
- Seria difícil Senhor, mas eu ainda Te amaria.

"Se você fosse cego, ainda amaria minha criação?"
Como eu poderia amar algo sem a possibilidade de vê-lo?
Então eu pensei em todas as pessoas cegas no mundo e
quantos deles amam a Deus e sua criação. Então respondi:
- É difícil pensar nisto, mas eu ainda Te amaria.

O Senhor então perguntou-me:
"Se você fosse surdo, ainda ouviria minha palavra?"
Como poderia ouvir algo sendo surdo? Então eu entendi.
Ouvir a Palavra de Deus não é simplesmente usando os
ouvidos, mas nossos corações. E aí respondi:
- Seria difícil, mas eu ainda ouviria a Tua palavra.

"Se você fosse mudo, ainda louvaria meu nome?"
Como poderia louvar sem uma voz?
Então me ocorreu: Deus quer que cantemos de toda nossa
alma e todo nosso coração. Não importa como possa parecer.
E louvar a Deus não é sempre com uma canção, mas quando
somos oprimidos nós louvamos a Deus
com nossas palavras de gratidão. Então eu respondi:
- Embora eu não pudesse fisicamente cantar,
eu ainda louvaria teu nome.

E o Senhor perguntou:
"Você realmente me ama?"
Com coragem e forte convicção, eu respondi seguramente:
- Sim, Senhor! Eu te amo! Tu és o único e verdadeiro Deus!
Eu pensei ter respondido bem, mas então Deus perguntou:

"Então, por que pecas?"
Eu respondi:
- Porque sou apenas um humano. Não sou perfeito.

"Então, por que em tempos de paz você vagueia ao longe?
Por que somente em tempos de problemas
você ora com fervor?"
Fiquei sem respostas, somente lágrimas...

O Senhor continuou:
"Por que canta somente nas confraternizações e nos retiros?
Por que me busca somente nas horas de adoração?
Por que me pergunta coisas tão egoístas?
Por que me faz perguntas tão sem fé?
As lágrimas continuavam a rolar em minha face.

Por que você está com vergonha de mim?
Por que você não  está espalhando as boas-novas?
Por que em tempos de opressão você chora a outros
quando eu ofereço meu ombro pra você chorar nele?
Por que cria desculpas quando lhe dou
oportunidades de servir em meu nome?
Você é abençoado com a vida.
Eu não lhe fiz para que jogasse este presente fora.
Eu lhe abençoei com talentos para me servir,
mas você continua a se virar.
Eu revelei Minha palavra a você, mas você
não progride em conhecimento.
Eu falei com você, mas seus ouvidos estavam fechados.
Eu lhe mostrei minhas bênçãos, mas seus olhos
se voltavam pra outra direção.
Eu lhe mandei servos, mas você se sentou ociosamente,
enquanto eles eram afastados.
Eu ouvi suas orações e respondi a todas elas.
Eu tentei responder, mas não havia resposta a ser dada.
- Você verdadeiramente me ama?"

Eu não pude responder. Como eu poderia?
Eu estava inacreditavelmente constrangido.
Eu não tinha desculpa. O que eu poderia dizer?
Quando meu coração chorou e as lágrimas brotaram, eu disse:
- Por favor, perdoa-me, Senhor.
Eu não sou digno de ser teu filho.

E o Senhor respondeu:
"Esta é Minha Graça, minha criança. Porque você é minha
criação. Você é minha criança. Eu nunca o abandonarei.
Quando você chorar, Eu terei compaixão e
chorarei com você. Quando você estiver alegre,
Eu vou rir com você. Quando você estiver desanimado,
Eu o encorajarei. Quando você cair, Eu vou levantá-lo.
Quando você estiver cansado, Eu o carregarei.
Eu estarei com você até o final dos tempos
e o amarei pra sempre!"

Eu jamais chorara daquela maneira antes...
Como pude ter sido tão frio?
Como pude ter magoado Deus como fiz?
E aí eu lhe perguntei:
- Quanto me amas, meu Deus?
Então, O Senhor esticou seu braço.
Logo curvei-me aos seus pés, e, pela primeira vez,
eu orei verdadeiramente...




 

PUBLICIDADE