Share Button









Deixe-me chorar, cantar o desencanto...
lamentar com este meu pranto
essa desilusão...

Um amor tão decantado, em versos, rimas e prosa,
ornado com tantas cores, um verdadeiro arco-íris...
que tal e qual uma flor, de repente se murchou,
e com pétalas sem vida, de seu galho se quedou...

Reguei o amor com tanto amor, carinho eu dei demais...
somente minha presença, por tão distante, causou
tanta saudade, tanta, tanta pressão tão sentida,
tão reclamada, com razão.
Mas cada vez que falava,
machucava, apertava também o meu coração...

Consciente eu sou das palavras que feriram,
quando pedi que parasse, ao menos diminuísse,
a cobrança da presença, impossível de momento,
pois tal fato me causava um enorme sofrimento.

Seu modo modificou, sua voz já não sorria,
sei que você sofria, tinha enorme agonia,
assim como eu também...
Então um dia achei que, o melhor para você,
seria eu me afastar, dar um tempo, quem sabe,
para essa mágoa acabar.

Fiz-lhe um poema, um versinho,
falando da esperança, de que o tempo ajudasse,
que houvesse esquecimento e sua mágoa acabasse..
E emocionado eu li, para você escutar,
e a resposta obtida, de forma tão objetiva,
era que, talvez, nunca mais....!

Doeu, dói, doerá...
que de repente eu visse, sentisse...
que aquele amor tão profundo,
tão saudoso, ardoroso,
brilhante, tal um diamante,
se transformasse num instante,
sem mostrar nenhum desvelo,
num iceberg, imensa pedra de gelo...

Doeu...
Está doendo...!



Autor: José Maciel





 

PUBLICIDADE